Trabalho sobre Esperanto para cadeira de Sociolinguística II




Дата канвертавання22.04.2016
Памер102.83 Kb.

Trabalho sobre Esperanto para cadeira de Sociolinguística II

Introdução

Neste trabalho vamos estudar a origem do esperanto, analisar em que contexto surgiu, e dar a conhecer a vida do seu criador – Zamenhof, bem como a estrutura da língua, dando alguns exemplos gramaticais.

Sabemos que o esperanto começou com uma pessoa e hoje em dia é falado por muitas em todo o mundo, e ao contrário do que a maioria pensa é uma língua viva.

Existe a Associação Universal de Esperanto (U.E.A.), com sede na Holanda, mais propriamente em Rotterdam onde estão confederadas, Associações de esperanto de mais de cem países, tendo esta por órgão de informação a revista ESPERANTO.

Estando o esperanto reconhecido pela UNESCO, a U.E.A. mantêm relações oficiais com a O.N.U e a UNESCO.

Vamos verificar o que faz desta língua a mais regular de todo o mundo, e a mais neutral, pois ao contrário das outras línguas que conferem privilégios a alguns povos em detrimento de outros, o esperanto tem um papel muito diferente, pois sendo completamente neutral e independente não confere vantagens a qualquer povo para desvantagens de outros.



COMO NASCEU A IDEIA DA LÍNGUA ESPERANTO?
Ludoviko Lazaro Zamenhof, nasceu a 15 de Dezembro de 1859 em Bialistok, esta pequena localidade condicionou toda a sua vida, devido ao facto de a população ser constituída por russos, polacos, alemães e judeus. Esta encontrava-se dividida e cada grupo populacional falava a sua língua, fora do grupo a comunicação era mais complicada.

Para o pequeno Zamenhof e para a maioria das crianças era complicado compreender o porquê de tanta desigualdade, pois fora criado segundo os ideias de que todos os homens são irmãos e devem viver como tal, o que não acontecia na sua localidade.

Quando mudou de escola, da Escola Real de Bialistok, para o Ginásio Clássico de Ensino Secundário de Varsóvia, ganhou o gosto pelas línguas antigas, começou a idealizar uma língua artificial, inventando declinações, conjugações artificiais, entre outras. Como é fácil de calcular esta tarefa não foi fácil, pois existem centenas de milhares de palavras no dicionário, esta ideia artificial e descomunal não era para forças humanas, mas não foi isso que o fez desistir.

Estudou diversas línguas de entre elas o alemão, o francês, o inglês, chegando à conclusão que a partir dos prefixos e sufixos era possível formar de uma só raiz inúmeras palavras, começou por as comparar, procurou relações constantes e bem definidas, elaborou uma gramática e um pequeno vocabulário.

Quando Zamenhof andava no oitavo ano do liceu, no ano de 1878, a língua encontrava-se praticamente elaborada, a Lingwe Universala, mas até chegar ao actual Esperanto sofreu diversas modificações. Zamenhof divulgou a língua pelos seus colegas, sendo bem aceite e estudada devido à sua facilidade de aprendizagem, porém não foi fácil a sua afirmação, Zamenhof não tinha idade para aparecer em público com a sua “criação”, ocultando-a durante 5 anos, as tentativas de divulgação foram várias por parte dos seus companheiros, mas foram repreendidos, sofrendo perseguições e escárnio.

O seu tempo foi passado rodeado de tristeza, pois receava não ser compreendido, a ideia de perseguição atormentava-o, bem como a ideia de não poder apresentar o seu trabalho, começou por escrever poemas na sua língua, para transmitir o que ia no seu pensamento, o primeiro poema foi “Mia Penso” (O Meu Pensamento) (em anexo), que foi incluído na primeira brochura que publicou, mas para quem não tem informação acerca das circunstâncias da escrita daqueles versos, certamente não compreenderá.

Nesses tempos de angústia trabalhou durante sete anos no aperfeiçoamento da língua, apesar de em 1878, já ter traduzido e escrito obras originais para Esperanto, algumas formas que pareciam ricas na teoria, na prática eram desnecessárias, abandonando muitos afixos.

Faltava encontrar o espírito da língua, não bastava os esperantistas escreverem correctamente, era necessário que a palavra fluísse por si, fosse flexível, graciosa e livre, como a língua da pátria.

A justificação que arranjou para expor o seu trabalho em público de forma a que as pessoas não dissessem que o Esperanto só seria conhecido quando todo o mundo o falasse. Baseou-se nos inúmeros alfabetos secretos, que quando endereçados a alguém e acompanhados pela chave correcta, com vocabulário e gramática exposta segundo uma ordem que facilitasse compreensão a qualquer pessoa em qualquer parte do mundo.

Como se afirmou o esperanto?
Após a sua licenciatura em medicina, procurou durante dois anos um editor, foram anos complicados, pois o lado financeiro trouxe-lhe desilusões, encontrou um editor que durante meio ano lhe preparou a brochura para ser publicada, mas quando tudo parecia pronto o editor desistiu, recusando-se a fazê-lo. Em 1887, Zamenhof provou ser um homem corajoso e que não desiste facilmente dos seus objectivos, publicando ele mesmo a sua brochura.

Em 1887, teve uma nova cúmplice Klora Silbernick, ele com 28 anos e ela com 24 anos. Surgiu o primeiro manual da “Língua Internacional”, apareceu em russo, a 26 de Julho, sob o pseudónimo Doktoro Esperanto, para evitar a censura czarista, também tinha medo que os seus pacientes não entendessem e o julgassem por estar preocupado a desenvolver uma língua em vez de estudar novas curas.

Zamenhof casou a 9 de Agosto com Klora Silbernick, tiveram 3 filhos, Lydia, Sofia e Adam. Seguidores dos ideais paternos deram conferências e cursos em diversos países, tiveram um fim trágico, acabaram por ser vítimas da barbárie nazista, morreram em Treblinka num campo de concentração e Adam foi fuzilado na ala de oftalmologia que ele dirigia num hospital de Varsóvia; a sua esposa Wanda conseguiu escapar com o seu filho Louis – Cristophe.

No ano de 1905 realizou o primeiro congresso mundial de Esperanto, pessoas de mais de quarenta países reuniram-se sem recorrerem ao auxilio de interpretes ou tradutores.

A Suécia começou a utilizar o Esperanto em telégrafos; a Associação Mundial da Radiofonia chegou mesmo a declarar em nota oficial que esta língua é a mais nítida para mensagens radiofónicas.

No ano de 1914, estava previsto um congresso que iria reunir cientistas, filólogos, mas não aconteceu, a Primeira Grande Guerra começou na véspera e o Esperanto ficou para segundo plano.

Nesta guerra morreram muitos esperantistas, foram destruídas bibliotecas e centros de idioma, Zamenhof viria a morrer de depressão em Abril, com 58 anos incompletos. Apesar de ser uma língua artificial, estava a afirmar-se, era uma língua viva por direito e natural, de certa forma.

Os esperantistas começavam a expandir-se, chegando a aumentar o seu número, na época anterior a guerra, os regimes nazi – fascistas começaram a perseguir os seus falantes, o mesmo acontecia na União Soviética, no governo de Stalini; Bibliotecas de Esperanto foram queimadas, gráficas e editoras roubadas e os Esperantistas foram levados para campos de concentração.

Após a Segunda Guerra Mundial, os esperantistas procuravam juntar tudo o que lhes restava, para se voltarem a afirmar, mas o inglês precipitou-se e dominou o mundo.

A partir dos anos 70 até aos nossos dias, são muitas as pessoas que defendem que para existir uma comunidade democrática e igualitária (de diferentes países), é necessária uma língua neutra e regular como o Esperanto.

A adopção de uma tal língua representa uma necessidade de ordem económica, para facilitar a troca de produtos entre nações; social para a evolução dos países, existe uma necessidade de sociabilidade; religiosa, porque os crentes precisam de partilhar entre si o amor e a adoração a Deus, numa linguagem que facilite o ensinamento e a aprendizagem científica, apesar de a ciência ser formada a partir do particular, é utilizada a nível mundial.

IDIOMAS HUMANOS

Todos os idiomas do mundo podem ser agrupados em conformidade com as suas semelhanças gráficas ou prosódicas e segundo a origem dos primeiros povos que os visaram, nos cinco ramos adiante citados.



Neles estão incluídas as línguas mais conhecidas que foram faladas pelos povos antigos e os que agora o são, ou seja, os actuais:
1º Ramo – Indo - Europeu ou Ariano ( Indo Germânico segundo os autores alemães ) formou o albanês, o arménio, o baltês, o celta, o eslavo, o germânico, helénico, o hindu, iraniano e o itálico;
2º Ramo – Uralo – Altaico abrange o magiar, o turco, o tártaro, o tranguestérico, o corcaro, o japonês, o malaio, o javanês, o lapão, o mongol, o georgiano, o samoiedo,etc...
3º Ramo – Indo – Chinês (grupo de línguas monossilábicas), engloba o siamês, o chinês, o birmanês, o tibetano, o aramita, o cambojano, etc...
4º RamoSemita agrupa o hebreu, o árabe, o etíope, o hassani (falado na Mauritânia), etc...
5º Ramo – Neo – Africano compreende o bantua, o zulua e mais uma infinidade grande de línguas africanas.

Das dez línguas do ramo Indo – Europeu derivaram os actuais idiomas seguintes:
Albanês – moderno e o calbanês.
Arménio – o arménio moderno.
Baltês – letão e o lituano.
Celta – o irlandês, o bretão, o gaulês, o ersa (falado na Escócia).
Eslavo – o russo, o polaco, o checo, o búlgaro, o sérvio, o croata, o esloveno, o ruteno, o ucraniano, o eslovaco...
Germânico – o godo, o anglo – saxónico, o flamengo, o holandês, o sueco, o norueguês, o dinamarquês e o baixo – germânico tendo este, derivado do inglês.
Helénico – o grego antigo e deste, o grego moderno.
Hindu – o prácrito, o cingalês e o sânscrito, tendo deste derivado o industori, o hindu moderno, o bengalês, o mahorati, o concanim, etc...
Iraniano – o zendo e deste derivou o persa.
Itálico – o latim (usado pela igreja Romana), o ladino (falado no Tivol e no Friul), o sabélico, do qual derivou o romanche ou retico (falado pelos grisses dos Alpes Réticos ou Récia), o osco (foi falado na campânia e era lido da direita para a esquerda), o úmbrico (falado na úmbria) e o românico ou baixo latim do qual derivaram: o italiano, o francês, o espanhol, o romeno, o português (com o galego), o provençal (com o catalã).
Línguas que surgiram após o Esperanto
Universelle – da autoria de Pirro, a Pasilíngua, organizado por Stteiner em 1885
Mondo lingue – surge em 1899 e é do autor de Lott
Idiom Neutral – organizado em 1902 por um grupo de volapukistas, formou um sistema só adoptável pelos europeus. Apresentado à Academia Linguística pelo Sr. Monseur, pouca simpatia teve pois não conseguiu superar o Volapuk.
Latino Sini Flexione – apreciado em 1903 da autoria do professor G. Peano, procurou simplificar o latim. Este sistema só serviria aos conhecedores do latim, mas não aos outros povos.
IdoReforma do Esperanto, feita em 1907, por Beaufront, não teve aceitação e ficou muito aquém do Esperanto. Iniciou-se uma polémica sobre os vários projectos existentes e os que serão apresentados:
Língua Azul – do Sr. Bolak
Parla – do Sr. Spitzer
Spokil – do Sr. Nicolas
Dilpok e Apolema – de outros autores
Romanal – organizado em 1912 por Michaux. Era baseado no latim e destinava-se só aos médicos.


Depois da 1ª Grande Guerra apareceram os seguintes projectos de novas línguas:
Novial – projecto do professor Jespersen, surgiu em 1928,foi difundido pelo sueco Ahlberg. Muito inferior ao Esperanto.
Basic English – forma simplificada do inglês, compilada por C.K.Ogden, aparecido em 1930. Esta língua não era adaptável a todos os povos.

Interlíngua – projecto do Sr. Alexandre Code, aparecido em 1950. Tratava-se da modificação da língua “Occidental”, não superou o Occidental e muito menos o Esperanto.




Objectivo do esperanto
O esperanto foi criado com o objectivo de facilitar a comunicação entre todos os povos do mundo, procura ser uma língua internacional e neutra, porque visa pertencer a todas as pessoas do mundo, procurando estabelecer uma ponte entre culturas.

As pessoas que aprendem esperanto conseguem fazer amigos em qualquer lugar do mundo, mais facilmente; existe uma rede de endereços “pasporta servo” que oferece alojamento gratuito em casa de pessoas que falam esperanto, esta rede abrange mais de setenta países.

Os esperantistas têm a possibilidade de participar em encontros a nível local, nacional ou internacional, através dos congressos Universais de esperanto, de congressos juvenis internacionais, entre outros eventos.

Os congressos de esperanto possibilitam o contacto entre Homens que comungam no mesmo ideal; nestas reuniões os esperantistas podem praticar a língua e unificar a sua pronúncia; os encontros anuais facilitam o conhecimento recíproco entre esperantistas de países de todo o mundo e incrementam o seu entusiasmo; são tomadas grandes resoluções impulsionadoras do movimento esperantista.

As discussões travadas nos primeiros encontros sobre a organização e a literatura, deram um grande contributo fazendo com que a língua adoptasse formas definidas e se enriquecesse com termos que ainda não tinham sido introduzidos, ao mesmo tempo que o seu uso tornou a dicção fluente e espontânea, como hoje se apresenta na boca daqueles que a sabem usar.

Para além de possibilitar o conhecimento de outras culturas, tem uma literatura bastante original, aborda os mais variados temas, existem vários periódicos e diversos programas de rádio de ondas curtas em esperanto.

A título de curiosidade a Bíblia, o Alcorão, as obras de Shakespeare, Goethe, García Lorca, Pablo Neruda, Jorge Amado, Camões, entre outras, foram traduzidas para Esperanto.

Nesta página temos um excerto das três primeiras estrofes d’”Os Lusíadas” de Luís de Camões, traduzido em 1973 pelo brasileiro Leopoldo Knoedt.


La farojn kaj la virojn multmeritajn,

El okcidenta plago lusitana,

La marojn ne ankorau navigitajn

Pasinte, transe ec de Taprobana ;

En lukto kaj danger’ venkintojn spitajn,

Kun forto superhoma kaj titana ;

Kiuj konstruis en la malproksimo

Reglandon, kondukitan al sublimo,


Kaj ankau la memorigajojn glorajn

Pri tiuj regoj, kiuj prosperigis

La fidon, l’imperion; kaj senmorajn

Afrikajn kaj aziajn landjon ligis;

Kaj tiujn, kiuj verkojn multvalorajn

Farinte, el mortleg’ sin liberigis;

Konigos kante mi en ciu parto,

Se tiom helpos min talent’ kaj arto.


De la sagulo greka, de l’trojano

La grandaj navigadoj cesu nun;

De aleksandro, same de Trajano,

Multigu famo pri batalfortun;

Car kantos mi pri inda luzitano,

Al kiu Mars’ obeis kaj Neptun’;

De l’muz’ antikva ciu kant’ cetera

Nun cesu antau ci valor’ supera.



O que se deve corrigir?

Ao contrário do que se pensa o esperanto é tão internacional como o inglês, mas é internacional de uma forma neutra, não imperialista. O facto de os esperantistas apontarem os defeitos da língua inglesa, não quer dizer que sejam contra. O que eles procuram é corrigir os seus erros, visto que é a língua mais utilizada nas comunicações.

No inglês existem grandes variações o que impede a criação de uma norma, são numerosos os dialectos (Austrália, Nova Zelândia, Irlanda, Escócia e Índia); não é regulado por nenhuma academia, tem variantes locais (EUA- norte americano - de Brooklyn, Boston, do sul e dos Estados Unidos), (Inglaterra – Cockney e o inglês falado no oeste de Londres.) e os falantes que não têm o inglês como língua materna têm o seu próprio sotaque, um bom exemplo é Nelson Mandela.

Os factores históricos, como a mudança de prestígio ou a utilidade de uma língua influi no seu sucesso reprodutivo, como descobriu o sociolinguísta Wiliam Labov os dialectos evoluem com alguma rapidez, ou sob influência de factores sociais, estes são úteis para sinalizar que se pertence ou não a um determinado grupo.

Porém, há uma grande incompatibilidade com o sistema métrico, nos EUA as medições métricas registam em “polegadas de mercúrio” e “milhas marinhas”; este país ao contrário de 95% da população mundial, que já tem um sistema racional e corrente utilizam “nós” e “pés”, dificulta o trabalho do pessoal aeronáutico que tem de traduzir mentalmente as unidades de medida não métricas dos EUA, que são diferentes do que aprenderam na escola. O que é perigoso se o piloto for confrontado com uma falta de oxigénio ou outro tipo de mal-estar.

A aprendizagem do inglês pelos falantes não anglófonos é difícil, pela presença de tantas irregularidades, uma das linguagens que requer muita aprendizagem é a linguagem da aviação, não basta decorar simples expressões.

Em 1995, no acidente da American Airlines, na Colômbia, o piloto quis interrogar o controlo de serviço sobre a sua posição no corredor aéreo mas não conseguiu expressar-se aos serviços de tradução, salienta-se a necessidade de existir uma terminologia especializada, por exemplo na navegação aérea, pois a língua será mais facilmente adquirida, se os falantes tiverem um conhecimento da terminologia da aviação através da lista de termos e expressões, evitando fazer dos controladores de voo meros papagaios, que não sabem actuar em situações excepcionais e que requerem alguma calma, por exemplo quem domina o inglês sabe utilizá-lo de forma eficaz em diversas situações.

A gramática
A gramática é completamente regular e tem uma sonoridade das melhores, sendo a sua pronúncia semelhante à do italiano. Nesta língua não há hipótese de se darem erros ortográficos visto ter uma fonética perfeita e não haver letras com mais de um som, nem mais de uma letra para cada som.

A pronúncia das letras é bastante fácil, as que não estão aqui indicadas são como no português:


A – é sempre como “pá”

O – é sempre como em “alô”

C – Tem o som tch

H – como no inglês em “hotel”

J – como o i em “pai”

R – aproximadamente como o r em “cara”

S – tem o som de x em “xarope”

E – é sempre como em “mesa”

C – tem o som ts

G – é sempre como em “gato”

H – como no j em espanhol

J – como o j em “jardim”

S – sempre como em signo”

U – como o u depois de vogais em “mau”


Através do radical parol’ formam-se diversos verbos pela prefixação:

EL elparoli………pronunciar


RE reparoli………repetir
EK PAROLI ekparoli……..exclamar


PRI priparoli……..tratar ou falar de


MIS misparoli…….titubiar
A palavra tuko (pano) é elemento principal dos seguintes termos:


Tablotuko

-

toalha de mesa

Kusentuko

-

toalha de mãos

Vistuko

-

toalha de rosto

Mantuko

-

lençol

Litotuko

-

guardanapo

Naztuko

-

lenço

Antautuko

-

avental

A gramática de Esperanto tem 16 regras simples e sem excepção. A formação da frase não obedece a qualquer regra, o que não acontece noutras línguas.

Por exemplo:

- (Português) Um gato comeu um rato.

- (Esperanto) Kato mangis raton.


  1. Sujeito – Verbo – Complemento Directo: Kato mangis raton

  2. Sujeito – Complemento Directo – Verbo: Kato raton mangis

  3. Complemento Directo – Verbo – Sujeito: Raton mangis kato

  4. Complemento Directo – Sujeito – Verbo: Raton kato mangis

  5. Verbo – Complemento Directo – Sujeito: Mangis raton kato

  6. Verbo – Sujeito – Complemento Directo: Mangis kato raton


Terminações:
O substantivo termina sempre em o

O adjectivo termina sempre em a

O advérbio termina sempre em e

O verbo do infinitivo termina sempre em i


Por derivação a palavra parol’ toma diversas formas:
- parol + anto parolanto o que fala

- parol + onto parolonto o que falou

- parol + into parolinto o que vai falar

- parol + isto parolisto o orador (carácter profissional)

- parol + ist + ino parolistino a oradora

- parol + ema parolema falador

- parol + ado parolado palestra

- parol + ad + ego paroladego conferência

- parol + ad + eto paroladeto conferenciazinha

- parol + ad + ejo paroladejo sala de conferências

- parol + aco parolaco palavrão

- parol + ego parolego palavra muito grande

- parol + ejo parolejo locutório

- parol + aro parolaro palavreado

- parol + eco paroleco dicção

- parol + ebla parolebla exprimível

- parol + ero parolero sílaba de palabra

- parol + inda parolinda digno de ser falada

- parol + enda parolenda que deve ser falado

- parol + eto paroleto palavrinha

- parol + ilo parolilo megafone ou altifalante

- parol + ismo parolismo verbalismo

À palavra parol’, cujo significado é falar, se lhe juntarmos as vogais fica assim.
Parol + o parolo palavra

Parol + a parola oral

Parol + e parole verbalmente

Parol + i paroli falar


Mais um exemplo da flexibilidade e da facilidade em Esperanto




Instrui

-

Ensinar




Instruo

-

Ensino




Instrua

-

Instrutivo




Instruisto

-

Professor




Instruistoj

-

Professores




Instruistino

-

Professora




Instuistinoj

-

Professoras




geinstruistoj

-

Professores

(ambos os sexos)

Instruanto

-

Ensinando

(presente)

Instruinta

-

Ensinando

(passado)

Instruonta

-

Ensinando

(futuro)

Instruata

-

Que está a ser ensinado




Instruota

-

Que vai ser ensinado




Instruilo

-

Meio, instrumento de ensino



As desinências verbais são apenas cinco:



Presente do indicativo



-

As

Pretérito do indicativo

-

Is

Futuro

-

Os

Condicional

-

Us

Conjuntivo e imperativo

-

U

Infinitivo

-

I


A escolha da Língua Internacional
Zamenhof e tantos outros “criadores” de línguas podiam ter optado por uma das línguas existentes ou por uma das línguas mortas, mas preferiram uma língua artificial e a adopção de uma língua com características idênticas às das naturais e o aproveitamento de materiais seleccionados dos mesmos, mas tecnicamente organizados.

Segundo o manifesto de Praga dirigido a todos os governos, organizações internacionais e a pessoas particulares, com a finalidade de promover a língua viva, rica de mudanças e auxiliar a comunicação internacional o esperanto funciona há mais de um século e responde aos princípios essenciais para uma ordem linguística justa e eficaz.

Os esperantistas são a favor da comunicação democrática, da educação transnacional, de um ensino eficaz das línguas, que visa o plurilinguismo, que é a favor dos direitos linguísticos, da diversidade linguística e da emancipação do Homem.

Nos dias de hoje ninguém se encontra isolado; podendo-se comunicar em esperanto através de:


Periódicos


  • Editados por Associações de Esperanto. São inúmeros os boletins e as revistas.

  • O objectivo é informar sobre o que se passa com o Esperanto, têm noticias, crónicas e debates de estratégia, planeamento e informação histórica; existem outras que não falam propriamente do Esperanto, mas utilizam esta língua como transmissão de ideias têm temáticas especializadas, destinam-se a um determinado grupo – alvo.

  • Cerca de 300 em Esperanto



Rádio


  • A R.D.P. Internacional teve um programa em Esperanto entre 1976 e 1980.

  • Existem programas emitidos em Esperanto por rádio locais em FM.

  • Varsóvia, Vaticano, Roma e Viena, Pequim, Havana, Vilnius, Tallin, Rio de Janeiro. Http://osiek.org/cera


Correspondência


  • É muito intensa a correspondência entre falantes desta língua, cartas e postais são trocados por particulares.

  • Os correios Brasileiros emitiram um selo postal com texto em Esperanto, para saudar o ano 2000.


Internet


  • www.esperanto.na e www.esperanto.selnan (agências do Mundo em Esperanto).

  • Os Esperantistas comunicam através do correio electrónico (e-mail) e dos fóruns de notícias.

  • Várias bibliotecas em Esperanto e museus têm os seus catálogos na net.

  • Cerca de 100 periódicos encontram-se ligados a uma agência de notícias que funciona por correio electrónico.


Qual a Função da Língua Internacional?

Na Escola – a língua internacional, ajuda na aprendizagem da língua mãe; para além disso não limita o conhecimento
No comércio – as relações com o estrangeiro serão facilitadas; mesmo no nosso país será mais fácil comunicar com estrangeiros
No Turismo – todos conseguirão ser entendidos fora da sua pátria
Nos Congressos Internacionais – nas sessões todos se entenderão como se fossem da mesma pátria. Assim evitar-se-ão traduções apressadas e mal feitas.
Na Diplomacia – Os diplomatas não necessitam de utilizar outras línguas que não dominam
No Cinema – traz inúmeras vantagens, nomeadamente o facto de se poder ir ao cinema sem ter de ler as legendas, nunca temos uma ideia exacta do diálogo; também se poupa a fadiga à vista, não é necessário andar com os olhos de um lado para o outro.
Na rua – evita as cenas caricatas e as indicações erradas, e o estrangeiro sentir-se-á em casa.
Na TSF – as emissoras não necessitam de línguas estrangeiras, visto que aquela será entendida por a maioria das pessoas.
Na Televisão – as emissões poderão ser ouvidas e compreendidas em todos os continentes
No Livro – os livros poderão ser lidos mundialmente evitando-se assim traduções demoradas e erróneas
Na Ciência – os investigadores poderão comunicar mais facilmente entre si, evitando mais atrasos e mal entendidos nos estudos e nas comunicações
Na Navegação – todos se entenderão reciprocamente num idioma universal completando assim a sua internacionalização
Na Medicina – os médicos compreenderão melhor os doentes estrangeiros podendo prestar auxílio em qualquer parte do mundo
No Jornalismo – existirão jornais destinados a todo o mundo, possibilitando o conhecimento directo do que se passa no exterior
Na Cruz Vermelha – como é uma instituição internacional desempenhará com mais facilidade a sua missão
Nos Desportos – facilita a comunicação entre os desportistas, com a chegada de algumas equipas a Portugal durante o Euro-2004 a comunicação será facilitada

Em Favor dos Cegos – sendo muito dispendiosa a publicação em Braille esta será facilitada numa língua internacional


Nas Religiões – será o meio mais adequado para a propagação das crenças
Aos Rotários – facilita a relação entre todos os falantes

Aplicações Principais





  • Educaçãodada a sua facilidade, o aluno consegue passar facilmente de um grau inferior a um grau superior, num curto espaço de tempo.




  • Comunicação Cientifica – é a língua principal da academia Internacional de San Marino. A academia de ciências da China edita uma revista técnico-científica bilingue Esperanto – Chinês; para além de organizar congressos científicos internacionais.




  • Organizações internacionais, associações, bibliotecas

  • Escola Moderna;

  • Amigos da Natureza;

  • Cidadãos do Mundo;

  • Fundo Mundial de Solidariedade contra a Fome;

  • Associação Mundial Sem- Nacionalidade (SAT)

  • Biblioteca Nacional de Áustria.




  • Intercâmbios de todas as espécies - existem redes que permitem encontrar pontos de hospedagem ou de informações em dezenas de países. É possível encontrar correspondentes as organizações mundiais publicam anúncios para facilitar os contactos.




  • Cultura

    • Criação literária

    • Poesia

    • Teatro

    • Música




  • Literatura – surgem livros em esperanto quase todas as semanas. Em Rotterdam, o catálogo do serviço de livraria mais importante de mundo oferece mais de 400 páginas de livros de todos os géneros. PEN club do esperanto foi admitido em 1993 junto do PEN club Internacional. Em 1954 e 1958 – o esperanto viu o seu valor reconhecido pela Unesco.




  • Museus

    • Viena – Áustria

    • Grey – França

    • Son pau d´Ordeal. Espanha.




  • Cursos Universitários de verão

    • Bydgoszcz (Polónia)

    • Kurgalov (Suécia),

    • San Francisco State University (EUA)

    • Hartford Uninersity (EUA)




  • Centros

    • La Chaux de Fonds – Suiça

    • Baugé – França

    • Bouresse – França

    • Stoke- on-Trent – Inglaterra

    • Arhus – Dinamarca

    • Poprad – Eslováquia

    • Lesjofors – Suécia

    • Yatugatake - Japão


Objectivos da Associação Universal de Esperanto


A Associação Universal de Esperanto foi fundada a 28 de Abril de 1908, os seus objectivos são:




  • Divulgar o uso da língua internacional – o Esperanto;

  • Agir para a solução do problema linguístico nas relações internacionais e facilitar a comunicação internacional;

  • Facilitar as relações materiais e espirituais de toda a espécie entre os homens, sem distinção de nacionalidade, raça, sexo, religião, política ou língua.

  • Fazer crescer entre os seus membros um forte sentimento de solidariedade e desenvolver entre eles a compreensão e a estima por outros povos.

Conclusão
Com este trabalho concluímos que esperanto significa algo ou alguém que espera, que vive na esperança, de que esta língua seja a Monda Lingvo (Língua Mundial) e a Internacio Lingvo (Língua Internacional), que tem como principal objectivo o facto de não ser de ninguém em particular.

Podemos concluir que na base desta língua estão as raízes de algumas línguas mortas e das línguas mais faladas, de entre elas destaca-se o português. Salientamos o facto de as palavras serem esperantizadas, isto é adaptadas à língua.

Ao contrário do que se pensa, o esperanto é uma língua viva, e tal como todas as línguas não é fácil a sua aprendizagem. A sua gramática lógica e fácil, faz com que seja mais rápida a sua aprendizagem, em comparação com outras línguas.

O que torna esta língua especial é o facto de os seus falantes procurarem conhecer a cultura do próximo de forma genuína, dando valor à diversidade cultural.

O esperanto possibilita que a comunicação internacional, se faça numa única língua, sem menosprezar as que já existem levando-as ao desaparecimento. Zamenhof e os seus seguidores procuraram desde sempre superar os obstáculos a nível prático e ético, fazendo com que a comunicação seja uma mais valia.

Os esperantistas defendem todas as línguas internacionais, incluindo as adormecidas, ou quase mortas, considerando que todas têm o seu valor.

São realizados vários congressos ao longo de cada ano, os principais são em Março, que se realizou este ano em Lisboa, em Junho, irá realizar-se no dia 14 em Vila Franca de Xira, e em Dezembro, realizam-se vários encontros localizados.

Para aprender esperanto o essencial é ter correspondência nesta língua receber revistas, e outros periódicos, que proporcionem a aprendizagem da língua, e se possível viajar através do “pasporta servo”.




2º Ano Comunicação Social 2002/2003 Cristina Pinto nº4149 Nuno Pereira nº4124 Pag.


База данных защищена авторским правом ©shkola.of.by 2016
звярнуцца да адміністрацыі

    Галоўная старонка