LÍngua portuguesa para responder às questões de números 01 a 03




Дата канвертавання21.04.2016
Памер102.15 Kb.
LÍNGUA PORTUGUESA

Para responder às questões de números 01 a 03, leia o texto a seguir.



Selinho, sim, mas só para poucos

Primeiro, Hebe Camargo, toda animada, pediu a Sílvio Santos um “selinho” (beijinho). Não ganhou: “Nem selinho, nem selo, nem selão”, ouviu dele, categórico. Em seguida, Gilberto Gil entrou no palco, de mão estendida para cumprimentá-lo. O que fez o apresentador? Disse “selinho”, esticou os lábios e zás — tascou um beijinho na boca do músico. A cena foi ao ar de madrugada, no encerramento do Teleton, a Maratona beneficente exibida pelo SBT. Gil ficou surpreso. Hebe fingiu brabeza e Sílvio riu muito. “Tirei uma onda, foi só uma bicotinha”, diz ele. “Tudo tem uma primeira vez”.

(Veja, 07.11.2001, pág. 101.)


  1. O termo “selinho” é bastante utilizado na linguagem atual. O diminutivo no uso da palavra serve para enfatizar que se trata de um beijo




    1. indiscreto.




    1. demorado.




    1. engraçado.




    1. indecente.




    1. breve.



  1. O vocabulário do texto mostra que o jornalista optou por uma expressão mais à vontade e informal. Essa opção pode ser comprovada pelo emprego de




    1. “toda animada” e “categórico”.




    1. “categórico” e “tascou”.




    1. “esticou” e “tascou”.




    1. “beijinho” e “encerramento”.




    1. “encerramento” e “beneficente”.



  1. Considerando a situação em que a expressão “Tirei uma onda” foi dita pelo apresentador Sílvio Santos, pode-se entender que ele




    1. fez uma brincadeira com o músico.




    1. ofendeu os artistas e o público.




    1. quis deixar o público horrorizado.




    1. pretendeu magoar Hebe Camargo.




    1. não teve idéia da repercussão da sua atitude.

As questões de números 04 a 07 baseiam-se nos textos a seguir.

Soneto de fidelidade


(Vinicius de Moraes)
De tudo, ao meu amor serei atento

Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto

Que mesmo em face do maior encanto

Dele se encante mais meu pensamento.


Quero vivê-lo em cada vão momento

E em seu louvor hei de espalhar meu canto

E rir meu riso e derramar meu pranto

Ao seu pesar ou seu contentamento.


E assim, quando mais tarde me procure

Quem sabe a morte, angústia de quem vive

Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa me dizer do amor (que tive):

Que não seja imortal, posto que é chama

Mas que seja infinito enquanto dure.

Por enquanto

(Renato Russo)


Mudaram as estações

Nada mudou

Mas eu sei que alguma coisa aconteceu

Tá tudo assim, tão diferente

Se lembra quando a gente

Chegou um dia a acreditar

Que tudo era pra sempre

Sem saber

Que o pra sempre

Sempre acaba.




  1. Nos dois primeiros quartetos do soneto de Vinicius de Moraes, delineia-se a idéia de que o poeta




    1. não acredita no amor como entrega total entre duas pessoas.




    1. acredita que, mesmo amando muito uma pessoa, é possível apaixonar-se por outra e trocar de amor.




    1. entende que somente a morte é capaz de findar com o amor de duas pessoas.




    1. concebe o amor como um sentimento intenso a ser compartilhado, tanto na alegria quanto na tristeza.




    1. vê, na angústia causada pela idéia da morte, o impedimento para as pessoas se entregarem ao amor.


  1. No segundo verso do poema, no qual o poeta mostra como tratará o seu amor, as expressões “com tal zelo”, “sempre” e “tanto” dão, respectivamente, idéia de




    1. modo – intensidade – modo.




    1. modo – tempo – intensidade.




    1. tempo – tempo – modo.




    1. finalidade – tempo – modo.




    1. finalidade – modo – intensidade.

Para responder à questão de número 06, leia os versos:


“E rir meu riso e derramar meu pranto

Ao seu pesar ou seu contentamento.”


“Mudaram as estações

Nada mudou”





  1. É notória a oposição de idéias nos versos, o que significa que neles se encontra como principal figura de linguagem a




    1. metáfora.




    1. antítese.




    1. sinestesia.




    1. metonímia.




    1. catacrese.

  1. Em “Por enquanto”, Renato Russo diz que “... o pra sempre / sempre acaba”. Essa idéia, no poema de Vinicius de Moraes, aparece no seguinte verso:




    1. “Mas que seja infinito enquanto dure”.




    1. “Quero vivê-lo em cada vão momento”.




    1. “Quem sabe a morte, angústia de quem vive”.




    1. “Quem sabe a solidão, fim de quem ama”.




    1. “Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto”.

As questões de números 08 e 09 referem-se aos textos a seguir.



Texto 1

Isto

(Fernando Pessoa)


Dizem que finjo ou minto

Tudo que escrevo. Não.

Eu simplesmente sinto

Com a imaginação

Não uso o coração.


Texto 2

(Rachel de Queiroz)

E o trabalho, este nosso trabalho de escrever? Meu Deus, como às vezes chega a ser sórdido! Aquele riscar, aquela grosseria do texto primitivo, aquele tatear atrás da palavra desejada e, ainda pior, da combinação de palavras desejada! A gaucherie do que sai escrito – tanta beleza que a gente sonhou, depois de posta no papel como ficou inexpressiva, barata e normal! Já dizia tão bem o velho Bilac: “a palavra pesada abafa a idéia leve!” — e não é mesmo?


Vocabulário:

gaucherie: falta de jeito. Do francês gauche: esquerdo, canhoto.




  1. Os textos têm assunto comum, pois discutem




    1. a importância da crítica literária e do leitor para que o escritor idealize e materialize seus textos, criando de forma produtiva e agradável.




    1. a questão da escrita literária como forma que depende única e exclusivamente da inspiração dos grandes escritores.




    1. a própria linguagem na questão da criação artística, da forma como o escritor idealiza e materializa seu texto.




    1. a questão da criação artística do escritor, que sofre muito com as imposições dos leitores a despeito de obras originais.




    1. a dificuldade de expressão escrita comum a todos os escritores, que têm de idealizar um texto sem saber de que forma ele será entendido.

  1. A leitura dos dois textos permite afirmar que




    1. os autores mostram a necessidade de se exprimirem os sentimentos reais vividos e sentidos pelo escritor em seu coração.




    1. o poeta, para Fernando Pessoa, deve buscar o sentimento no coração e reproduzi-lo de forma mais intensa do que realmente ele é.




    1. há diferença notável entre a escrita idealizada e a realizada, na concepção de Rachel de Queiroz, pois sempre a idealizada sofre correções para que os sentimentos pareçam reais, o que a torna melhor.




    1. a sensação de desapontamento é comum, segundo Rachel de Queiroz, pois o texto produzido não corresponde ao esforço despendido em sua produção.




    1. o poeta, segundo Fernando Pessoa, deve exprimir os sentimentos como imaginários, embora sejam reais.

Para responder à questão de número 10, compare os dois trechos a seguir.


Texto 1

(Zé Rodrix e Tavito)


Eu quero uma casa no campo

do tamanho ideal

pau-a-pique e sapê

Onde eu possa plantar meus amigos

meus discos

meus livros

e nada mais

Texto 2

(Cláudio Manuel da Costa)


Se o bem desta choupana pode tanto,

Que chega a ter mais preço, e mais valia,

Que da cidade o lisonjeiro encanto;
Aqui descanse a louca fantasia;

E o que té agora se tornava em pranto,

Se converta em afetos de alegria.


  1. Embora muito distantes entre si na linha do tempo, os textos aproximam-se, pois o ideal que defendem é




    1. o uso da emoção em detrimento da razão, pois esta retira do homem seus melhores sentimentos.




    1. o desejo de enriquecer no campo, aproveitando as riquezas naturais.




    1. a dedicação à produção poética junto à natureza, fonte de inspiração dos poetas.




    1. o aproveitamento do dia presente – o carpe diem –, pois o tempo passa rapidamente.




    1. o sonho de uma vida mais simples e natural, distante dos centros urbanos.

INGLÊS
INSTRUÇÃO: as questões de números 11 a 16 referem-se ao texto seguinte.

THE FRAGILE CHARM OF CITIES




  1. New Yorkers know as well as anyone that great cities are works in progress, but disturbed by disasters provoked by avarice, ideology and politics. Now, New York has seen firsthand how acts of terrorism – a variation of such factors – can affect a great city.

  2. But every great city rests, in part, on the broken stones, walls, and foundations of its own past. These foundations are strong enough to recover, like the inhabitants themselves. Leveled with the ground, cities rise again, building on what came before.

  3. As New Yorkers set about designing and building whatever will stand in the place of the Twin Towers, they would do well to consult Anthony M. Tung’s Preserving the World’s Great Cities. He wrote it after visiting 22 cities, from Amsterdam to Vienna, from Cairo to Kyoto.

  4. This wonderful book mixes well-told tales of urban destruction and renewal, using preservation and planning as the prism through which history is viewed.

  5. For example, Tung examines Warsaw’s painstaking postwar restoration of its 17th century Old Town, itself a reconstruction of an older neighborhood destroyed by fire.

  6. He also looks at how religious conflict has devastated Jerusalem, and how Berlin recovered from World War II and three decades of being split by the Wall.

  7. In each chapter, Tung evaluates varying approaches to preservation, seeking solutions that might conciliate the destruction and loss of historical treasures with development.

  8. The earliest attempts at preservation, he tells us, date from the seventh century B. C. in Mesopotamia. Anyone who dared to damage the appearance of the Royal Road of Nineveh was hanged from the roof of his own house.

  9. By the fifth century A. D., punishments had eased: in Rome workmen found stripping marble from imperial monuments had their hands cut off. Regardless of these draconian measures, Rome’s physical deterioration was far from being halted.

  10. Modern sanctions – some would say because they are not so strict – were not able to prevent the attack on New York either. But New Yorkers will surely rebuild – it does not matter how – what they lost last year.

(Adaptado de “The Fragile Charm of Cities” de David Rocks,



in Business Week, 22 de outubro de 2001.)


  1. Segundo o texto, a cidade de Nova Iorque




    1. foi atingida por um desastre de causa totalmente inédita.




    1. sofreu as conseqüências de um mal que teve origem na avidez dos políticos locais.




    1. conheceu um desastre que, na verdade, é uma outra forma de males já conhecidos pelas grandes cidades.




    1. viu seu progresso prejudicado por um desastre que jamais ocorrera em outra grande cidade.




    1. progride graças a uma combinação de avidez, ideologia e política.



  1. Nos diferentes capítulos de seu livro, Anthony M. Tung




    1. avalia diversos procedimentos que buscam conci-liar a preservação do passado com o progresso.




    1. analisa a situação de diferentes cidades que foram devastadas pelas mesmas causas e com as mesmas conseqüências.




    1. usa diferentes relatos de cidades devastadas para explicar a causa dessa devastação.




    1. lista todos os tesouros históricos que as grandes cidades do mundo já perderam devido ao progresso.




    1. afirma que a divisão física foi a causa da devastação de cidades como Jerusalém e Berlim.



  1. A parte de Varsóvia conhecida como Cidade Velha




    1. teve que ser reconstruída após um recente incêndio.




    1. foi destruída pelo fogo durante uma guerra.




    1. passou por total restauração após uma guerra no século XVII.




    1. constitui exemplo de devastação dolorosa e irrecuperável.




    1. é a reconstrução de algo que já existia anterior-mente.

  1. Anthony M. Tung escreveu seu livro




    1. depois de visitar mais de 20 diferentes cidades do mundo.




    1. enquanto visitava 22 cidades situadas na África e na Ásia.




    1. enquanto viajava de Quioto para o Cairo.




    1. enquanto visitava Amsterdã e Viena.




    1. depois de visitar 22 vezes Quioto e o Cairo.



  1. No parágrafo 2, a expressão “leveled with the ground” equivale a




    1. “slightly destroyed”.




    1. “totally rebuilt”.




    1. “thoroughly restored”.




    1. “completely destroyed”.




    1. “partially rebuilt”.



  1. No parágrafo 9, a expressão “had eased” tem um caráter




    1. inquisitivo.




    1. irônico.




    1. argumentativo.




    1. especulativo.




    1. ambíguo.


PROVAS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE LÍNGUA INGLESA


2a PARTE
QUESTÕES DISCURSIVAS

LÍNGUA PORTUGUESA
As questões de números 17 e 18 baseiam-se nos dois textos a seguir.

Texto 1




Até o fim
(Chico Buarque)

Quando eu nasci veio um anjo safado

O chato dum querubim

E decretou que eu tava predestinado

A ser errado assim

Já de saída a minha estrada entortou

Mas vou até o fim.

Texto 2
Poema de Sete Faces

(Carlos Drummond de Andrade)


Quando nasci, um anjo torto

desses que vivem na sombra

disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

(...)




  1. Os dois textos não só se assemelham com relação ao tema de que tratam, como também à estruturação.




    1. Que tema é desenvolvido em ambos os textos?




    1. Qual a semelhança na estrutura entre eles? Dê um exemplo.


  1. O anjo é um elemento comum aos dois textos.




    1. De que forma são tratados os anjos nos textos?




    1. Nos versos de Chico Buarque, o querubim “decretou”; nos de Drummond, o anjo “disse”. Qual a diferença desses verbos na caracterização do querubim e do anjo?

Considere os textos de Aníbal Machado e Cecília Meireles para responder às questões de números 19 e 20.


Texto 1
O grande clandestino

(Aníbal Machado)


Eu me distraio muito com a passagem do tempo.

Chego às vezes a dormir. O tempo então aproveita e passa

[escondido.

Mas com que velocidade!

Basta ver o estado das coisas depois que desperto: quase [todas fora do lugar, ou desaparecidas; ou-[tras com uma prole imensa;

O que é preciso é nunca dormir, e ficar vigilante, para obri-

[gá-lo ao menos a disfarçar a evidência de [suas metamorfoses.

(...)


Contudo, não se deve ligar demasiada importância ao [tempo. Ele corre de qualquer maneira.

É até possível que não exista.

Seu propósito evidente é envelhecer o mundo.

Mas a resposta do mundo é renascer sempre para o tempo.




Texto 2




O tempo e os relógios

(Cecília Meireles)
Creia-se ou não, todo mundo sente que o tempo passa. Não precisamos olhar para o espelho nem para nenhum relógio: o tempo está em nosso coração, e ouve-se; o tempo está em nosso pensamento, e lembra-se. “Vou matando o tempo, enquanto o tempo não me mata” — respondia-me na Índia um grande homem amigo meu, cada vez que perguntava como ia passando.

(...)


Em todo caso, esses são os tempos grandes. O tempo pequeno é o dos nossos relógios.



  1. Ambos os textos tratam da questão do tempo, da forma como ele age sobre as pessoas e como elas o sentem.




    1. No texto 1, o autor deixa claro que é impossível fugir à ação do tempo. Transcreva o trecho que comprova essa idéia.




    1. Que relação há entre “olhar para o espelho” e o tempo, no texto de Cecília Meireles? A que verso do texto 1 essa relação pode ser associada?



  1. Muitos recursos lingüísticos garantem ao texto a sua coesão e expressividade.




    1. No texto de Aníbal Machado, os termos “mas” (3o verso) e “contudo” (6o verso) têm a mesma função coesiva e expressiva? Justifique a sua res- posta.




    1. No trecho do texto 2 “Não precisamos olhar para o espelho nem para nenhum relógio: o tempo está em nosso coração, e ouve-se...”, os dois pontos poderiam ser substituídos por um conectivo para ligar as orações. Reescreva o trecho, explicitando esse elemento de ligação das orações.

Para responder às questões de números 21 a 23, tenha como referência o texto “Romance de uma Caveira”.


Romance de uma Caveira

(Alvarenga e Ranchinho)


Eram duas caveiras que se amavam

E à meia-noite se encontravam

Pelo cemitério os dois passeavam

E juras de amor então trocavam.

Sentados os dois em riba da lousa fria

A caveira apaixonada assim dizia

Que pelo caveiro de amor morria

E ele de amores por ela vivia.

(...)

Mas um dia chegou de pé junto



Um cadáver, um vudu, um defunto.

E a caveira por ele se apaixonou

E o caveiro antigo abandonou.

O caveiro tomou uma bebedeira

E matou-se de um modo romanesco

Por causa dessa ingrata caveira

Que trocou ele por um defunto fresco.


  1. O texto é uma música da dupla humorístico-sertaneja Alvarenga e Ranchinho, que fez muito sucesso por cerca de quatro décadas.




    1. Quanto ao tema, o que garante à música o seu romantismo?




    1. Há elementos no texto que quebram o espírito do romantismo, tornando a história cômica. Que elementos são esses?



  1. Para alcançar certos efeitos expressivos, os autores servem-se de vários recursos, entre eles, a manipulação da gramática. Com base nessa informação, responda:




    1. Por uma questão de ritmo ou estilo, os autores da música podem ter optado pelo uso do verbo “ser” no trecho “Eram duas caveiras que se amavam”. Reescreva esse trecho, substituindo o verbo “ser” pelo verbo “haver”.




    1. Como é sabido, a palavra “caveira” pertence ao gênero feminino. Todavia, no texto, encontra-se a forma “o caveiro”. Qual é a função desse uso no texto?




  1. O emprego de pronomes, além de garantir a coesão textual, pois organiza as informações, permite que se entendam as referências, o que é um auxílio na compreensão do texto.




    1. Explique a diferença de uso do pronome “se” em cada um dos versos:

Eram duas caveiras que se amavam”


E matou-se de um modo romanesco”



    1. No verso “Que trocou ele por um defunto fresco”, o referente do pronome é facilmente identificável. Contudo, nota-se que o emprego do pronome foge à norma padrão. Reescreva o verso segundo as convenções da linguagem culta.

A questão de número 24 baseia-se no texto a seguir, de Machado de Assis.
Começo a arrepender-me deste livro. Não que ele me canse; eu não tenho que fazer; e, realmente, expedir alguns magros capítulos para esse mundo sempre é tarefa que distrai um pouco da eternidade. Mas o livro é enfadonho, cheira a sepulcro, traz certa contração cadavérica; vício grave, e aliás ínfimo, porque o maior defeito deste livro és tu, leitor. Tu tens pressa de envelhecer, e o livro anda devagar; tu amas a narração direita e nutrida, o estilo regular e fluente, e este livro e o meu estilo são como os ébrios, guinam à direita e à esquerda, andam e param, resmungam, urram, gargalham, ameaçam o céu, escorregam e caem...


  1. O trecho apresentado faz parte de Memórias póstumas de Brás Cubas, obra que tem como narrador o falecido Brás Cubas. Daí poder-se entender que escrever distrai um pouco da eternidade.




    1. O narrador tem toda a eternidade para escrever. O leitor, porém, tem um tempo diferente. Essa oposição estabelece que tipo de relação entre a obra e o leitor, segundo o narrador?




    1. O narrador compara seu estilo aos ébrios (bêbados), usando orações coordenadas e curtas. O que essas orações sugerem?

PROVA DE LÍNGUA INGLESA

INSTRUÇÃO: Leia novamente o texto The Fragile Charm of Cities, na página 6, e responda em português às questões de números 25 a 28.





  1. Segundo o texto,




    1. qual é a descrição que se aplica às grandes cidades?




    1. o que os nova-iorquinos vão construir no lugar das Torres Gêmeas?


  1. Releia o parágrafo 4 e explique




    1. como está organizado o livro Preserving the World’s Great Cities.




    1. a referência feita à história.


  1. Com relação aos esforços de preservação de monumentos,




    1. onde e quando eles tiveram início?




    1. qual era o castigo aplicado a quem desobedecia à lei de preservação nesse local?


  1. No parágrafo 10 do texto, o que se afirma com relação




    1. ao ataque terrorista a Nova Iorque que destruiu as Torres Gêmeas?




    1. aos nova-iorquinos?

PROVA DE REDAÇÃO







Prova de Redação
Freqüentemente se lê sobre falar e escrever como necessidades do ser humano. Do ponto de vista acadêmico e profissional, por exemplo, são competências que podem garantir sucesso a muitas pessoas.

O que é importante para falar e escrever com competência, ou seja, de forma que as intenções de comunicação dos indivíduos sejam plenamente satisfeitas de acordo com a situação com que se defrontam?

Leia os textos a seguir e, depois, a proposta de redação.

Texto 1
No grupo escolar
Eu vou agora descrever o jeito como se ensinava "linguagem". Era o jeito como se aprendia a ler, a escrever e a redigir na escola pública e na particular.

Já podemos falar de um "era uma vez" um mundo em que a professora primária era levada a sério, por isso ela não media esforços em ensinar seus alunos. Nesse tempo, nos boletins, além da nota de linguagem, aritmética e conteúdos, existia nota de ordem, aplicação e comportamento. Só por aí já vemos que capricho, atenção e modos respeitosos já foram valores a merecer menção. (...)

No ensino de linguagem, a escrita se fazia por meio de cópia, ditado, descrição e composição. Em geral, a professora escrevia no quadro-negro, e os alunos copiavam, e essa cópia era depois religiosamente corrigida pela professora. Copiar é ver e repetir o que se viu. (...) Essa é uma etapa importante, em que se mistura o ler com o escrever.

Já o ditado, pavor das criancinhas recém-alfabetizadas, pede outras aptidões. Escuta-se e transforma-se o som em símbolos gráficos da escrita de que a cópia nos dá o domínio. Automatizar esse processo exige mais tarefas de nosso sistema nervoso. E os ditados também eram corrigidos um a um.

Já sabemos escrever o que vemos (cópia) e sabemos escrever o que ouvimos (ditado). É chegada a hora de escrever o que percebemos. Agora já cabe a quem escreve fazer o ritmo e a respiração, isto é, criar o texto que, na cópia e no ditado, vinham prontos. Cada sala de aula tinha um caderno enorme com desenhos que os alunos tinham de colocar em palavras. Só depois vinham as composições. Para tanto, precisávamos ser capazes de realizar todas as aptidões desenvolvidas nas outras etapas. Por termos praticado a transposição de vários estímulos para a escrita, podíamos, finalmente, transpor também desejos, esperanças e fantasias. Isto é, sentimentos ou, sendo mais específica, subjetividade. Se faremos isso pobremente ou genialmente, depende em parte do exercitar-se e, em parte, das quantidades de que dispomos de cada uma dessas aptidões, da importância que o comunicar-se tem no meio social em que a criatura vive etc. etc. (...) E depois das composições praticávamos cartas, relatórios, tudo lá no curso primário do grupo escolar onde as professoras eram muitíssimo respeitadas e corrigiam, reviam, ensinavam.

Ainda bem que o computador trouxe de volta a importância da escrita, e por isso vale a pena lembrar como se fazia no tempo em que mal-e-mal em alguns escritórios algumas pessoas escreviam a máquina, mas todos tinham de ter uma letra legível. A caligrafia parece, de momento, fora do campo das utilidades  a escrita não. Mas ela voltará.

(...) Não é porque sabemos escrever complexos re- latos que deixamos de precisar saber fazer cópia, ditado e descrição. Como passar um procedimento se não soubermos descrever, por exemplo? A escrita está em todos os lugares do nosso cotidiano moderno. E seu ensino ficou precário ao privilegiar a criação em detrimento da precisão.
(“Equilíbrio”, Folha de S. Paulo, 20.09.2001.)

Texto 2
A dificuldade com a clareza é um traço cultural no Brasil. “Num país com tantas carências educacionais, falar de maneira rebuscada é indicador de status, mesmo que o falante não esteja dizendo coisa com coisa”, afirma o professor Francisco Platão Savioli, da Universidade de São Paulo. Esse amor pelas palavras difíceis tem origem na época da transição do Império para a República, no fim do século XIX. Conforme explica Sérgio Buarque de Holanda, em seu clássico Raízes do Brasil, com o advento da República o curso superior passou a ser o principal parâmetro de reconhecimento social. Na época, estavam em voga as escolas de direito. Assim, para ser alguém na sociedade daquele tempo, era necessário não apenas ser advogado, mas também falar como advogado. É daí que surge, segundo Sérgio Buarque, a linguagem bacharelesca. Esse estilo floresceu no começo do século XX e, a partir do modernismo, seu prestígio foi decaindo. O português empolado persiste, no entanto, até hoje, em formas degeneradas. Uma delas é o chamado “burocratês”, a linguagem dos memorandos das empresas, nos quais mesmo para solicitar uma caixa de clipes são necessárias várias saudações e salamaleques. Outra é a retórica de parte dos políticos. O linguajar pomposo também sobrevive nas teses acadêmicas e, como era de esperar, no discurso dos advogados.

(...)


A dificuldade do brasileiro em falar e escrever de forma a se fazer entender não é apenas conseqüência da tradição bacharelesca. Há outros fatores. Para começar, lê-se pouco no Brasil. A Câmara Brasileira do Livro divulgou recentemente um estudo que mostra que, na verdade, os brasileiros lêem em média apenas 1,2 livro por ano. Não cultivar a leitura é um desastre para quem deseja expressar-se bem. Ela é condição essencial para melhorar a linguagem oral e escrita. Quem lê interioriza as regras gramaticais básicas e aprende a organizar o pensamento.
(Veja, 07.11.2001, pág. 108-9.)

Texto 3
Quatro ou cinco grupos diferentes de alunos do Farroupilhas estiveram lá em casa numa mesma missão, designada por seu professor de Português: saber se eu considerava o estudo da Gramática indispensável para aprender e usar a nossa ou qualquer outra língua.

(...)


Respondi que a linguagem, qualquer linguagem, é um meio de comunicação e que deve ser julgada exclusivamente como tal. Respeitadas algumas regras básicas da Gramática, para evitar os vexames mais gritantes, as outras são dispensáveis. A sintaxe é uma questão de uso, não de princípios. Escrever bem é escrever claro, não necessariamente certo.

(...)


E adverti que minha implicância com a Gramática na certa se devia à minha pouca intimidade com ela. Sempre fui péssimo em Português. Mas — isso eu disse — vejam vocês, a intimidade com a Gramática é tão indispensável que eu ganho a vida escrevendo, apesar da minha total inocência na matéria.
(Luís Fernando Veríssimo. O gigolô das palavras.)
Baseando-se nos textos apresentados e valendo-se de outras informações de seu domínio, elabore um texto dissertativo em que seja analisada a questão:

OS PRINCÍPIOS BÁSICOS QUE DEFINEM

O BOM USO DA LÍNGUA.









База данных защищена авторским правом ©shkola.of.by 2016
звярнуцца да адміністрацыі

    Галоўная старонка