A via Láctea



Дата24.04.2016
Памер27.22 Kb.
#26691
A Via Láctea
A galáxia na qual se encontra o nosso sistema planetário, o Sistema Solar, se chama Via Láctea, que nada mais é do que uma concentração muito grande estrelas e ocupa um espaço insignificante do Universo. Existem bilhões de galáxias espalhadas por ai e essas podem ser de quatro tipos, sendo eles: Galáxias espirais, espirais barradas, elípticas e irregulares. A Via Láctea em particular é do tipo espiral barrada.

As galáxias espirais são assim denominadas devido à sua morfologia, pois quando observadas através da vista superior é notável uma estrutura em espiral em volta de um núcleo. Esse tipo de galáxia é o mais comum.


Galáxia espiral NGC 5457


Uma galáxia espiral barrada também possui o formato em espiral, porém existe uma banda central de estrelas brilhantes, que se estendem de um lado a outro da galáxia. Os braços espirais parecem surgir do final da "barra" mestre, enquanto que nas galáxias espirais parecem surgir do núcleo.

Galáxia espiral barrada NGC 1300


As galáxias elípticas apresentam forma esférica ou elipsoidal, e não têm estrutura em forma de espiral.

Galáxia elíptica gigante NGC 1316


Galáxias irregulares apresentam uma estrutura morfológica desordenada ou caótica, ou seja, não possuem formas definidas como elípticas ou espirais, mas sim forma indefinida.

Galáxia irregular NGC 1427A


Galáxias espirais possuem uma estrutura composta do bojo (núcleo), do disco, onde distinguimos os braços espirais e do halo (distribuição esférica de estrelas e aglomerados que envolvem a galáxia).

O Sol é apenas uma das bilhões de estrelas que existem na Via Láctea e encontra-se aproximadamente a 30 anos-luz do núcleo galáctico.
No Universo existem muitos aglomerados e super-aglomerados de galáxias. Dez milhões de anos-luz é da ordem do tamanho de um aglomerado de galáxias e cem milhões de anos-luz é o tamanho de um super-aglomerado de galáxias. Poderíamos considerar a Via Láctea como sendo uma dessas galáxias que a parecem na imagem do super-aglomerado a seguir:

Podemos concluir que existem bilhões de galáxias parecidas com a nossa espalhadas por ai.
Hoje sabemos que o tamanho de nossa galáxia é insignificante comparado com o tamanho do Universo. Mas será que sempre se soube disso?

A necessidade do homem explicar a natureza surgiu desde a antiguidade. Na Grécia Antiga através da mitologia surgiu o nome Via Láctea que significa caminho do leite.

A mitologia grega compreende o conjunto de mitos, envolvendo deuses, semideuses e heróis presentes na religião praticada na Grécia Antiga (1000 a.C. a 300 a.C.), muitas vezes com o intuito de explicar fenômenos naturais.

Os deuses da mitologia grega representam forças e fenômenos da natureza e também impulsos e paixões humanas. Moram no Monte Olimpo e de lá controlam tudo o que se passa entre os mortais.

Para que Hércules, um dos heróis mais populares da mitologia grega, se tornasse imortal, deveria ser amamentado quando criança pelo seio de sua rabugenta madrasta Hera, que era a mulher de Zeus (chamado de Júpiter na mitologia romana).

Enquanto o seu marido estava na guerra, Zeus tomou a sua forma para enganar Alcmena, tendo com ela seu filho Hércules.

Hermes (Mercúrio, para os romanos), outro filho de Zeus, colocou a criança no seio de Hera enquanto ela dormia. Assim que ela abriu os olhos, ela se soltou do pequeno Hércules, mas ele já tinha sido alimentado.

O leite que escorreu do seio de Hera deixou um rastro pelo céu, e foi assim que "nasceu" a Via Láctea.

Além da mitologia, ao longo do tempo começaram aparecer algumas concepções científicas do Universo.

No século IV a.C. Aristóteles concebia um Universo cuja forma predominaria no pensamento humano por séculos: a Terra é redonda e está no centro do Universo; os planetas, a Lua e a esfera celeste giram em torno da Terra. Os quatro elementos ar, terra, fogo e água combinados constituiriam todo o Universo. Este é o chamado modelo de Universo Geocêntrico.

A nossa concepção sobre o Universo passou por uma revolução com as idéias de Copérnico, sec. XVI, colocando a Terra, os demais planetas e mesmo as estrelas, a girar em torno do centro do Universo, o Sol. Esse é o modelo heliocêntrico.

Foi fundamental para a aceitação do modelo heliocêntrico as observações feitas com luneta nos anos que se seguiram à criação desse modelo. Galileu foi o primeiro a utilizar esse instrumento de forma sistemática (ele não inventou o telescópio e nem foi o primeiro a utilizá-lo em astronomia). Ele observou as luas de Júpiter, as crateras na Lua, as manchas solares, e talvez sua observação mais importante, as fases do planeta Vênus, indicando que Vênus de fato gira em torno do Sol.

A prova atual de que a Via Láctea é composta por muitas estrelas veio em 1609 quando Galileu Galilei usou uma luneta para estudar a Via Láctea e descobriu que esta era composta por um número muito grande de estrelas fracas.

Em 1671 Isaac Newton apresentou um novo instrumento de observação que no lugar da lente da luneta usava um espelho: é o que chamamos de telescópio (as vezes a palavra telescópio também é usada para se referir a uma luneta). A qualidade era muito superior a do instrumento de Galileu, em particular não apresentava aberração cromática típica das lentes (separação da luz branca em colorida). O telescópio de Newton gerava imagens nove vezes maior do que um refrator quatro vezes mais longo. Os espelhos esféricos construídos naquela época produziam imagens imperfeitas, com aberração esférica. No início esse instrumento não despertou muita atenção, mas com o tempo os astrônomos perceberam seu potencial e até hoje ele é imprescindível.

Em 1775 na época de Immanuel Kant as pequenas manchas luminosas elípticas observadas no céu eram chamadas de "estrelas nebulosas". Ele raciocinou que, se a Via Láctea tinha a forma de um disco de estrelas, possivelmente seria possível a existência de outros discos de estrelas espalhados por todo o espaço. Kant também argumentou que se estes agregados de estrelas, tendo em vista os seus tamanhos, estavam tão distantes da Via Láctea, do mesmo modo como as estrelas individuais estão umas das outras, então eles deveriam aparecer para nós como pequenas manchas luminosas, manchas estas que teriam a forma mais ou menos elíptica dependendo de quanto elas estavam inclinadas em relação à nossa linha de visada. Kant estava convencido da existência de "outros Universos" além da nossa Via Láctea e foi ele quem propôs pela primeira vez, mas baseado apenas em filosofia, que o Universo era formado por vários "Universos ilha“ repletos de estrelas, semelhantes à Via Láctea. Defendia também que a bela faixa de estrelas que vemos atravessada no céu em uma noite escura era apenas o plano da nossa Galáxia e não ela toda.

Na parte final do século XVIII o astrônomo William Herschel construiu um enorme telescópio refletor. Este telescópio permaneceu insuperado por décadas e era capaz de registrar objetos situados a distâncias muito além do alcance dos telescópios existentes naquela época. Com seu novo equipamento Herschel iniciou o primeiro levantamento sobre a forma e o tamanho do Universo. Usando métodos sistemáticos ao invés de suposições, atacou o problema realizando contagens de estrelas em 683 regiões do céu. Raciocinou corretamente que deveria registrar um número maior de estrelas nas contagens feitas na direção do centro da nossa Galáxia e um número menor nas contagens feitas na direção de sua borda. No entanto, encontrou aproximadamente o mesmo valor de densidade estelar (número de estrelas por área) em todas as direções examinadas. Daí concluiu que o Sistema Solar deveria estar situado no centro da Galáxia (na época de Herschel os astrônomos ainda não sabiam que o espaço interestelar contém poeira e gás capazes de bloquear a luz emitida por estrelas). A partir dessas contagens chegou a uma forma grosseira do Universo que confirmava a especulação feita anteriormente por Kant, de que o Universo tinha uma forma alongada. Herschel também se interessou pelas "estrelas nebulosas" mencionadas por Kant e, ao longo de seus levantamentos do céu e descobriu muitas outras. Ao iniciar suas observações nos primeiros anos da década de 1780, os astrônomos conheciam cerca de 100 "objetos nebulosos" no céu do hemisfério norte que haviam sido catalogados pelo astrônomo francês Charles Messier. Em 1786 publicou um catálogo com cerca de 1000 objetos nebulosos. Três anos mais tarde ele acrescentou mais mil objetos à sua lista e em 1802 publicou uma terceira e última lista de mais 500 objetos nebulosos. Em 1811 publicou na conceituada revista inglesa Philosophical Transactions of the Royal Society vários desenhos em que mostrava a rica variedade de objetos nebulosos que ele havia registrado.

Em 1912 uma importante descoberta foi feita pelo astrônomo norte-americano Vesto Melvin Slipher. Ele conseguiu obter o espectro da "nebulosa espiral" Andromeda e ficou evidente os deslocamentos Doppler de suas linhas espectrais (em um dos itens desse módulo explicaremos com mais detalhes o que é o deslocamento Doppler). Este resultado assombroso mostrava que a "nebulosa" Andromeda estava se aproximando do Sol a uma velocidade de 300 quilômetros por segundo, a maior velocidade registrada em astronomia até aquela data. Em 1914 Slipher publicou um artigo no qual mostrava deslocamentos Doppler de 14 "nebulosas espirais". Este resultado modificava muita coisa. Uma vez que as chamadas "nebulosas espirais" tinham velocidades radiais tão extraordinariamente grandes, muitos astrônomos se convenceram que elas não podiam estar dentro da nossa Galáxia. Apesar disso, a descoberta de Slipher não provava que a "teoria dos Universos-Ilha" era correta uma vez que ela não permitia a determinação de distâncias.

Em 1923, Edwin Powell Hubble, usando o recém instalado telescópio conseguiu identificar as estrelas individuais na galáxia de Andrômeda e, medindo sua distância, demonstrou conclusivamente que nossa galáxia não é a única no Universo.

Em 1929 Hubble, observando o deslocamento para o vermelho nas linhas espectrais das galáxias, e medindo suas distâncias, descobre que as galáxias estavam se afastando com velocidades proporcionais à sua distância, isto é, quanto mais distante a galáxia, maior sua velocidade de afastamento. Isso constituiu a primeira evidência para a expansão do Universo, já predita por Alexander Friedmann.

Hubble determinou distâncias de algumas nebulosas espirais e constatou que essas nebulosas estavam muito distantes e que quanto maior a distância, maior era a velocidade de afastamento. A velocidade de afastamento  = H × distância, onde H é um número hoje conhecido como constante de Hubble. Essa relação é chamada de Lei de Hubble.

Utilizando a Lei de Hubble, e assumindo que a constante cosmológica é nula, ou seja, que a energia do vácuo (repulsão) é nula, a atração gravitacional deve diminuir a expansão, o que implica que no passado a expansão era mais rápida. A idade do Universo pode ser calculada, no limite superior, assumindo que a quantidade de matéria é pequena e que, portanto, não reduziu a velocidade de expansão significativamente.

Podemos então estimar a idade máxima do Universo, calculando o tempo que as galáxias distantes, movendo-se à mesma velocidade de hoje, levaram para chegar onde estão.

Levando-se em conta a desaceleração causada pela atração gravitacional, a idade do universo está entre 9 e 15 bilhões de anos. Por outro lado, calculando-se a idade das estrelas mais velhas conhecidas, as estrelas dos cúmulos globulares e as anãs brancas, obtêm-se entre 12 e 15 bilhões de anos, ainda consistente com esta idade. Mas se a constante cosmológica não for nula, o Universo está acelerando e sua idade é maior do que H-1.

Até o início do século XX, os astrônomos acreditavam que a Via Láctea abrangia todo o universo, porém no decorrer deste século, à medida que a compreensão da astronomia foi avançando, foi possível desvendar os segredos de nossa galáxia.

No passado, compreender a estrutura de nossa galáxia exigia décadas de aquisição de dados e análises exaustivas. Hoje, com o avanço na tecnologia de detectores e softwares de análise de última geração, tal levantamento de dados e análises leva poucos dias.

O programa da NASA denominado “Grandes Observatórios Espaciais”, é composto de uma família de Quarto Observatórios Orbitais, cada um observando o Universo em um comprimento diferente de onda, como a luz visível, raios gama, raios-X e o infravermelho.

Ondas eletromagnéticas com comprimentos de onda específicos como os raios-X, têm a propriedade de penetrar na matéria e, portanto é possível detectar o que existe além de uma barreira, como por exemplo, a poeira existente na Via Láctea que permeia as estrelas. Assim através de detectores de ondas eletromagnéticas diferentes da luz visível presentes nos telescópios, é possível quantificar uma grande quantidade de matéria que realmente existe em nossa galáxia (estrelas e gás). Além de quantificar a matéria de nossa galáxia, para determinar sua estrutura é necessário comparar a disposição dessa matéria com estruturas de outras galáxias.
Referências
Livro:

MARK A. G.; The ilustrated Atlas of the Universe; Weldon Owen Pty Ltd; 2006


Revista:

Astronomy Brasil – E se a teoria das cordas estiver errada? – fevereiro de 2007




Sites:


  • http://www.sbfisica.org.br/fne/Vol6/Num1/cosmologia.pdf - acesso em 08/05/09.

  • http://en.wikipedia.org/wiki/Milky_Way - acesso em 08/05/09.

  • http://www.canalkids.com.br/cultura/ciencias/astronomia/mitos.htm - acesso em 08/05/09.

  • http://www.viewzone.com/milkyway.html - acesso em 08/05/09.

  • http://pt.wikipedia.org/wiki/Telesc%C3%B3pio_espacial_Spitzer – acesso em 08/05/09.

  • http://pt.wikipedia.org/wiki/Chandra – acesso em 08/05/09.

  • http://pt.wikipedia.org/wiki/Espectro_eletromagn%C3%A9tico

  • http://pt.wikipedia.org/wiki/Great_Observatories_Program - acesso em 08/05/09.

  • http://hubblesite.org/ - acesso em 08/05/09.

  • http://heasarc.gsfc.nasa.gov/docs/cgro/egret/ - acesso em 08/05/09.

  • http://www.nasa.gov/mission_pages/chandra/multimedia/index.html - acesso em 08/05/09.

  • http://pt.wikipedia.org/wiki/Gal%C3%A1xia – acesso em 08/05/09.

  • http://www.cdcc.sc.usp.br/cda/sessao-astronomia/index-sa-2007.html - Mapeamento da Via Láctea – acesso em 08/05/09.








Поделитесь с Вашими друзьями:




База данных защищена авторским правом ©shkola.of.by 2022
звярнуцца да адміністрацыі

    Галоўная старонка